‘Não consigo respirar’, disse Khashoggi antes de morrer no consulado saudita em Istambul

CNN cita uma fonte que leu a transcrição de uma gravação de áudio dos momentos anteriores à morte do jornalista saudita.

“Não consigo respirar”: estas foram as últimas palavras do jornalista Jamal Khashoggi, que foi assassinado em 2 de outubro pouco depois de entrar no consulado da Arábia Saudita em Istambul (Turquia).

A informação foi divulgada pela CNN, que cita uma fonte que leu a transcrição de uma gravação de áudio dos momentos ocorridos pouco antes do crime.

A transcrição da macabra gravação inclui descrições da lutado colaborador do jornal “The Washington Post” contra seus assassino se faz referências aos sons do corpo do jornalista, que era crítico do governo de Riad, “sendo esquartejado com uma serra”.

A fonte afirmou ao canal americano que transcrição deixa claro que o assassinato foi premeditado e sugere que várias ligações telefônicas foram feitas para informar sobre o desenvolvimento dos fatos.

A CNN afirmou que as autoridades turcas acreditam que as ligações foram feitas para altos funcionários do governo de Riad.

A transcrição original foi preparada pelos serviços de inteligência turcos. Segundo a emissora americana, sua a fonte leu uma versão traduzida e também foi informada sobre a investigação da morte do jornalista.

O ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita rejeitou no domingo (9) os pedidos de extradição de suspeitos relacionados ao assassinato de Khashoggi, como deseja o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.

O chefe de Estado turco pediu de modo reiterado a Riad que entregue os suspeitos do assassinato. Autoridades turcas afirmam que uma equipe saudita de 15 membros – entre eles, pessoas próximas ao príncipe herdeiro Mohammed bin Salman – foi enviada a Istambul para matar Khashoggi.

A Arábia Saudita, no entanto, alega que foi uma operação”desonesta” que acabou mal, um argumento que perde força com as informações sobre a transcrição.

Príncipe saudita

Senadores dos Estados Unidos declararam acreditar que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, seja o culpado da morte do jornalista após tomarem conhecimento de um relatório da a agência de inteligência dos Estados Unidos, a CIA.O presidente Donald Trump, porém, disse que o incidente não atrapalhará a firme relação entre Washington e Riad,inclusive se Mohamed bin Salman for apontado como o responsável. Para Trump, a avaliação da CIA sobre o vínculo entre o príncipe e o crime ainda são muito “prematuras”.

Compartilhar:

0 Comentário(s)

Deixar Comentário

Login

Bem-vindo! Faça o login na sua conta

Lembrar-me Perdeu a senha?

Lost Password

WhatsApp Chat
Enviar Mensagem