Drone da Alphabet tem autorização para fazer entregas nos EUA

A empresa planeja iniciar entregas rotineiras de pequenos itens de consumo em duas comunidades rurais da Virgínia

Um braço da Alphabet – empresa-mãe do Google –  tornou-se o primeiro operador de drone a receber aprovação como companhia aérea do governo americano, um passo importante que lhe dá a autoridade legal para começar a entregar produtos para clientes reais.

A subsidiária Wing agora tem as mesmas certificações que companhias aéreas menores recebem da Administração da Aviação Federal e do Departamento de Transporte nos EUA. A empresa planeja iniciar entregas rotineiras de pequenos itens de consumo em duas comunidades rurais da Virgínia em alguns meses.

“É um momento empolgante para nós termos obtido a aprovação da FAA para administrar um negócio com nossa tecnologia”, disse o presidente-executivo da Wing, James Ryan Burgess, em entrevista. Ele chamou isso de “fundamental” tanto para sua empresa quanto para a indústria de drones em geral.

As regulamentações de drones ainda não permitem a maioria dos vôos em meio a multidões e áreas urbanas, limitando onde a Wing pode operar. Mas as aprovações assinadas pela FAA dão à empresa a capacidade de cobrar pelas entregas de mercadorias dos clientes na Virgínia e solicitar permissão para se expandir para outras regiões.

Enquanto dezenas de empresas que trabalham em programas de teste foram autorizadas pela FAA para realizar voos de demonstração ou para fazer entregas em curtas distâncias, nunca houve uma empresa de drones aprovada sob a regulamentação projetada para companhias aéreas tradicionais ou transportadores de carga aérea menores para garantir a segurança.

A Wing precisou criar manuais extensivos, rotinas de treinamento e uma hierarquia de segurança – assim como qualquer transportadora aérea deve fazer.

Algumas empresas de drones levantaram queixas de que o processo é muito oneroso. Muitos dos requisitos que faziam sentido para uma companhia aérea charter – como comissários de bordo e cintos de segurança para a tripulação – não se aplicavam a eles.

Burgess disse que o processo de candidatura à FAA levou meses e foi “muito rigoroso e muito minucioso”.

Outras empresas de drones que estão se candidatando a aprovações da FAA poderão avançar mais rapidamente agora que a agência e a Wing trabalharam nas questões de quais regras devem ser aplicadas aos operadores de drones e quais não devem, disse Burgess.

A certificação da FAA de transportadora aérea foi necessária porque as regras existentes criadas estritamente para os drones não permitem o tipo de voos que a Wing almejava, disse ele.

O drone de Wing, um híbrido entre helicóptero e avião, é capaz de decolar verticalmente e voar horizontalmente a altas velocidades. Os pacotes são entregues nos jardins dos clientes com uma corda enquanto o drone sobrevoa a uma distância segura.

Compartilhar:

0 Comentário(s)

Deixar Comentário

Login

Bem-vindo! Faça o login na sua conta

Lembrar-me Perdeu a senha?

Lost Password

WhatsApp Chat
Enviar Mensagem