Começa julgamento de mãe que deixou dois filhos morrerem entre fezes, lixos e vermes e escondeu um feto no armário

Uma mulher de Massachusetts foi acusada de homicídio após os corpos de dois bebês e um feto serem recuperado em sua casa infestada de ratos em 2014. A mulher, identificada como Erika Murray, de 35 anos, compareceu ao tribunal na terça-feira, dia 04.

Os relatos indicaram que quatro crianças, com idades entre cinco meses e 13 anos, também foram removidas da casa infestada de insetos e cheia de lixo, em Blackstone. A casa acabou sendo derrubada pelas autoridades. Segundo os vizinhos, a propriedade estava cheia de “fraldas sujas, pulgas e vermes” e imagens compartilhadas durante o julgamento mostraram pilhas de lixo acumuladas nos quartos.

Um dos vizinhos de Murray, Betsy Brown, disse ao tribunal: “Alimentos apodrecendo. Fraldas sujas, muitas fraldas sujas, mamadeiras, vermes por toda parte. Estava muito escuro e quente. Foi horrível. Foi o pior cheiro que já tive que cheirar”.

Brown alertou as autoridades em agosto de 2014, depois que um menino de 10 anos, que morava na casa, saiu para pedir ajuda em um esforço para fazer um bebê parar de chorar.

Brown acrescentou que ela teve que usar sua própria camisa para limpar os rostos das crianças, já que não conseguia encontrar nenhum item limpo dentro da casa. “Ela tinha fezes cobrindo todo o seu corpo. Cabelo, corpo, tudo”, disse, referindo-se à criança. “Em todos os lugares que você olhava, havia sujeira nas paredes. Havia pequenas marcas de mãos, impressões de mãos de bebês e fezes. Era horrível. Estava em toda parte.”

Videos feitos no local mostravam policiais e equipes forenses em trajes de proteção, removendo sacos de lixo da casa. As autoridades disseram que encontraram os esqueletos de dois bebês com fraldas e roupas, incluindo um feto em um armário da casa.

Quando os policiais encontraram as crianças que estavam vivas, elas não podiam andar por causa da fraqueza muscular e só conseguiam fazer alguns sons com a boca. Um bebê de seis meses entre as crianças estava extremamente sensível à luz do sol. As equipes de limpeza supostamente levaram 90 horas, em quatro dias, para limpar a sujeira da casa de Murray antes que maquinário pesado fosse usado para derrubá-la.

“Ele estava basicamente coberto de fezes humanas. Ele tinha fezes no rosto e nas mãos. Sua fralda estava suja”, disse o policial da polícia de Blackstone, Michael Pavone, sobre uma das crianças. O oficial também acrescentou que o lixo dentro da casa tinha “um par de metros de altura” com vermes por toda parte.

No entanto, o advogado de Murray, Keith Halpern, durante o julgamento desta terça-feira disse que não havia provas de que sua cliente havia cometido algum crime. Ele acrescentou que Murray sofre de problemas de saúde mental.

O advogado acrescentou que sua cliente não chamou as autoridades após a morte de seus filhos porque ela entrou em pânico. Murray se declarou inocente e renunciou o seu direito a um júri.

O Promotor Christopher Hodgens disse que a única razão para causar as mortes dos bebês foi a negligência de Murray, acrescentando que ela “desnecessariamente permitiu que seus filhos sofressem naquela casa, e que Erika Murray causou a morte de dois desses bebês”.

Compartilhar:

0 Comentário(s)

Deixar Comentário

Login

Bem-vindo! Faça o login na sua conta

Lembrar-me Perdeu a senha?

Lost Password

WhatsApp Chat
Enviar Mensagem