EUA – Número de mortes em acidentes de barco aumenta na Flórida

No último final de semana, o sul da Flórida vivenciou tragédias fatais envolvendo barcos. Além do grave acidente na noite de sábado, 20, em Fort Lauderdale, envolvendo dois brasileiros, no domingo, 21, outro acidente e uma explosão em outro barco enviaram sete pessoas para o hospital, incluindo três crianças, em Miami-Dade.

De acordo com Relatório Estatístico de Acidentes de Barco da Flórida, Fish and Wildlife Conservation Commission, houve 714 relatos de acidentes de barco no estado no ano passado, que resultaram na morte de 67 pessoas – um aumento de 22% desde 2015, apesar de uma diminuição de 3% em acidentes.

Segundo relatório, a principal causa de acidentes de barco, com 29% em 2016, foi a falta de atenção do operador ou a falta de uma vigia adequada.

Morte de brasileiros
O catarinense André Mayard Neves, 37 anos, e a carioca Juliani Costa, 29 anos, faleceram na última segunda-feira, 23, após ficarem gravemente feridos quando o barco em que estavam, um Twin Vee de 22 pés, foi atingido bruscamente por trás por outro barco maior, por volta de 10:30pm do sábado, 20, na Intracoastal Waterway, em Fort Lauderdale. Ambos foram levados para o Broward Health Medical Center, onde tiveram morte cerebral decretada, permanecendo respirando por aparelhos até à segunda, segundo amigos que os acompanhavam.

De acordo com informações das autoridades locais, o barco que os atingiu era uma lancha de 31 pés, cujo piloto era roommate do brasileiro, o sul-africano Max Irvine, de 36 anos, de Deerfield Beach. Irvine estava acompanhado de Amanda Macke, 34, de Fort Lauderdale. Ambos não tiveram ferimentos graves.

André Neves, na foto com o filho Logan.

André navegava em direção a Bokampers. A causa da colisão está sendo investigada pelas autoridades, que apuram se foi imprudência e se o acidente está relacionado ao fato das luzes não estarem acesas, segundo relataram algumas testemunhas, que também apontaram a presença de garrafas de bebida alcoólica nos barcos, mas tais informações não foram confirmadas pela polícia até esta publicação.

Entretanto, para amigos próximos de André, como Alberto Antunes, com quem o brasileiro conversou horas antes do acidente e com quem costumava navegar, a causa mais provável do acidente foi a “imprudência do piloto da lancha, uma vez que não se pode navegar com mais de 25 milhas por hora, principalmente à noite, e, o modo como ela subiu e atravessou o catamarã, ficando com a parte da frente destruída e destruindo a parte de trás do barco das vítimas, o que indica uma velocidade além do limite”.

André Neves trabalhava na Outboard Specialties Inc., uma concessionária de barcos em Pompano Beach e era muito querido e conhecido no sul da Flórida. Ele deixa um filho de 4 anos e meio, Logan. Sua irmã, Mayara Fernandes Neves, escreveu um depoimento de despedida em rede social. “Meu amado irmão, Deus te levou antes mesmo de podermos ter aquela conversa, frente àfrente, sem ser pelo FaceTime ou Whats. De podermos dar aquele abraço que tanto falávamos…”, escreveu. De acordo com Antunes, o corpo do catarinense será cremado e será realizada uma cerimônia na Hillsboro Inlet, local onde ele gostava de ficar.

Juliana Costa também deixa uma filha de 6 anos.

A carioca Juliani era formada em enfermagem, mas trocou a profissão pelo sonho de morar na Flórida, há quase dois anos. Sua mãe, Jane Costa, 43 anos, também enfermeira, disse que a brasileira estava onde sempre sonhou e fazia de tudo pela filha Maria Luísa, de 6 anos. “Somos do Rio e lá está muito perigoso. Ela queria uma vida melhor pra filha. Era muito ligada comigo, nos falávamos todos os dias. Eu perdi uma filha, minha melhor amiga”, declarou. O velório de Juliani está marcado para quinta-feira, 25, às 2pm, na sede da igreja PIBFlorida, em Pompano Beach.

Foram criadas páginas para ambos no GofundMe para ajudar com as despesas do hospital. Para ajudar Juliani Costa, acesse gofundme.com/juliani-costa-acidente-de-barco e para ajudar André Neves acesse gofundme.com/andre-maynard-neves

National Safe Boating Week
Os acidentes aconteceram justamente no início da campanha Nacional Safe Boating Week, que começou no dia 20 e vai até o dia 26 de maio. A organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission recomenda:

  • sempre o uso do colete salva-vidas; que o operador do barco esteja sempre sóbrio;
  • que a atenção seja redobrada tanto de dia quanto à noite;
  • que os barcos tenham um cordão interruptor de corte do motor;
  • ter sempre baliza de localizador de emergência; fazer aula de segurança para passeios de barco;
  • e ter um plano de navegação e deixar com uma pessoa confiável que possa notificar a agência de resgate apropriada em caso de acidente. Um formulário online está disponível no site www.floatplancentral.cgaux.org.
  • COMPARTILHE
  • FONTE: GAZETANEWS.COM
  • POSTAGEM: SANDRA SERAFIM
Compartilhar:

0 Comentário(s)

Deixar Comentário

Login

Bem-vindo! Faça o login na sua conta

Lembrar-me Perdeu a senha?

Lost Password

yoast seo premium free